Masterclass com Solange Melo

21 maio 2019 | 11h00
Estúdio D2

No dia 21 de maio é a vez de Solange Melo visitar a ESD para ministrar uma masterclass de Técnica de Dança Clássica aos alunos da Turma 4A (2º ano) do curso de Licenciatura em Dança.

Solange Melo é natural de Lisboa, nasceu em 1980. Estudou na Escola de Dança do Conservatório Nacional sob orientação do Mestre Georges Garcia.

Ingressou na Companhia Nacional de Bailado em 1998 onde foi promovida a Bailarina Principal em 2012. De 2005 a 2007, foi bailarina Solista no Ballet Nacional da Noruega. Faz parte do seu repertório a interpretação de bailados incontornáveis do universo clássico, tais como: O Lago dos Cisnes (Odette/ Odile), Giselle (Giselle/Myrtha), A Bela Adormecida (Aurora), Romeu e Julieta (Julieta), Cinderela (Cinderela), O Quebra-Nozes (Clara/Fada do Açúcar), O Pássaro de Fogo, entre muitas outras.

Também tem dançado um vasto repertório neo-clássico e contemporâneo de Balanchine, Christopher Wheeldon, Paul Lightfoot/Sol Léon, Hans van Manen, Olga Roriz, Ohad Naharin entre outros. Foi coautora do espetáculo para crianças Cinderela em bicos de pés e Dó, Ré, Mi, Perlimpimpim.

Desenhou figurinos para bailados do coreógrafo Fernando Duarte. Presentemente frequenta o curso de licenciatura em Bussiness Management da Open University do Reino Unido.  É também Professora Convidada em várias escolas de dança em Portugal. Em 2018, juntamente com Fernando Duarte, funda e assume a Direção Artística da Dança em Diálogos, sendo Murmúrios de Pedro e Inês o primeiro bailado da plataforma coreográfica

Parceria: Dança em Diálogos

Para uma Timeline a Haver

de 23 de abril a 3 de julho 2019

A Materiais Diversos lançou um convite à Escola Superior de Dança para a participação no projecto Para uma Timeline a Haver de João dos Santos Martins e Ana Bigotte Vieira.

Construindo uma cronologia para a dança em Portugal, a Timeline é um exercício colectivo de investigação e de sinalização de marcos relativos ao desenvolvimento e disseminação da dança como prática artística em Portugal nos séculos XX e XXI, com especial incidência na segunda metade do século XX.

Com este exercício, trata-se de sinalizar episódios que – influenciando autores, práticas e instituições – foram delineando a história da dança em Portugal, inserindo-os numa perspectiva alargada tanto das transformações pelas quais a sociedade portuguesa passou como do discurso sobre o coreográfico (e o que é ou pode ser a dança como prática artística), de modo a entrever tensões, momentos-chave e episódios emblemáticos).

Em parceria com a Escola Superior de Dança, a Timeline propõe-se articular uma fase de pesquisa com o desenvolvimento de um programa pedagógico para a comunidade escolar, proporcionando laboratórios coreográficos com alguns dos mais importantes coreógrafos portugueses, entre os quais Francisco Camacho, João Fiadeiro e Vera Mantero.

Com a direcção de João dos Santos Martins e Ana Bigotte Vieira, a Timeline divide-se em três fases: Na primeira fase, espera-se a participação voluntária dos alunos nas sessões de montagem. Na segunda fase, são organizados os laboratórios coreográficos e realizadas as primeiras ativações dos alunos. Na terceira fase, são organizadas visitas de convidados e pretende-se que os alunos conduzam visitas guiadas e ativações da Timeline. Os alunos podem participar apenas por fases ou durante todo o projecto, consoante a disponibilidade e interesse.

CALENDÁRIO

Fase 1 | 23 Abril – 15 Maio 3ªs e 4ªs feiras 17h às 20h
Montagem comentada e participada com alunos

Fase 2 | 22 Maio – 19 Junho 4ªs feiras 17h às 22h
Laboratórios coreográficos e 1ªas ativações pelos alunos

Fase 3 | 25 Junho – 3 Julho 3ªs e 4ªs feiras 17h às 19h
Visitas de convidados e ativações pelos alunos

 

O resultado deste projeto está em exposição no átrio do piso -1 do edifício C.

Parceria: Materiais Diversos

A Filha do Tambor-Mor

22 a 26 de maio de 2019 | quarta a sábado às 21h00, domingo às 17h30
São Luiz Teatro Municipal

Foi com A Filha do Tambor-Mor, opereta de Jacques Offenbach interpretada pela Companhia Gargano, de Itália, que se inaugurou o Theatro D. Amelia, a 22 de maio de 1894. Cento e vinte e cinco anos depois, o São Luiz revisita aquele que seria o primeiro dos muitos espetáculos estreados nesta casa. Fá-lo como forma de recuperar a sua tradição operática, celebrar o seu nascimento e a sua história, mas também como forma de olhar o que aí vem. Para isso, chamou como diretor musical e maestro da orquestra, Cesário Costa, como encenador, António Pires, e lançou o repto às escolas artísticas do país, acreditando que os jovens representam o futuro das artes em Portugal e consciente de que não existem muitas oportunidades para se apresentarem publicamente.

Em palco, estão os alunos das escolas de ensino superior  de todo o país que se envolveram neste projeto: Universidade  de Aveiro; Universidade de Évora; ESART – Escola Superior de Artes Aplicadas, de Castelo Branco; Orquestra Metropolitana de Lisboa; Escola Superior de Dança de Lisboa; e Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa. Os participantes foram selecionados através de audições, para integrarem esta nova versão cantada no original francês e com texto em português. A António Pires e a Cesário Costa juntam-se Paulo Vassalo Lourenço, como maestro do coro, Dino Alves, nos figurinos, Aldara Bizarro, no movimento, A Tarumba – Teatro de Marionetas, na cenografia. Ao todo, são cerca de 150, os artistas envolvidos no espetáculo. Com A Filha do Tambor-Mor, o São Luiz volta a assumir a produção de um espetáculo, o que já não acontecia há muito tempo.

Participam neste espetáculo as bailarinas finalistas da ESD Catarina Rosa Moita, Cristiana Pardal, Inês Aguiar, Inês Coelho Duarte, Inês Coimbra, Joana Franco, Lara Maia, Mafalda Tereno, Raquel Silveira, Rita Carmo e Sofia Portugal.

Espetáculo inserido na programação do FIMFA Lx19 – Festival Internacional de Marionetas e Formas Animadas.

 

A entrada é livre, mediante levantamento de bilhetes no próprio dia, a partir das 13h, no limite de dois por pessoa.

Mais informações em São Luiz Teatro Municipal.

 

Fotografia © Estelle Valente / Teatro São Luiz

Masterclass com Filipe Macedo

24 outubro 2018 | 17h00
5 dezembro 2018 | 17h00
20 março 2019 | 17h00
15 maio 2019 | 17h00
Estúdios Victor Córdon

No âmbito da parceria com os Estúdios Victor Córdon / Opart, os alunos do 3º ano do curso de Licenciatura em Dança terão oportunidade de participar numa masterclass ministrada por Filipe Macedo, professor residente da CNB e colaborador regular dos EVC.

Filipe Macedo formou-se na Escola de Dança da Fundação Calouste Gulbenkian, no Centro de Formação Profissional da Companhia Nacional de Bailado e no Centre de Danse Rosella Hightower em França.

Tornou-se bailarino da Companhia Nacional de Bailado em 1986.

Posteriormente dançou em várias companhias europeias, nomeadamente Ballet de Hannover, Ballet de Berna, Ballet de Zurique e Ballet de Leipzig.

Diplomado em Dança Clássica pelo Ministério da Cultura de França, lecionou na Escola de Dança do Conservatório Nacional a vários níveis, sendo atualmente professor convidado em várias escolas e companhias.

Parceria: Estúdios Victor Córdon / Opart

Masterclass com Fernando Duarte

8 maio 2019 | 9h00
Estúdio D1

No dia 8 de maio, Fernando Duarte volta à ESD, desta vez para leccionar uma masterclass dirigida aos alunos da Turma 4B, do 2º ano do curso de Licenciatura em Dança, que se realiza no âmbito da unidade curricular de Técnica de Dança Clássica IV.

Fernando Duarte é natural de Lisboa, nasceu em 1979. Estudou na Academia de Dança Contemporânea de Setúbal sob orientação dos professores Maria Bessa e António Rodrigues. Em 1995/96 foi bailarino estagiário na CeDeCe – Companhia de Dança Contemporânea. Ingressou na Companhia Nacional de Bailado em 1996, onde foi Bailarino Principal.

Em 2005/2007 foi Solista no Ballet Nacional da Noruega. Dançou a maioria dos papéis principais do repertório clássico assim como bailados do universo neo-clássico e contemporâneo. De 2011 a 2017 foi Mestre de Bailado e Ensaiador na CNB onde também coreografou novas versões de O Lago dos Cisnes (2013), O Quebra-Nozes (2014), O Pássaro de Fogo (2015) e La Bayadère (2016), para além de Cimbalo Obbligato em 2010. Também coreografou para outras companhias, tais como a CeDeCe – Companhia de Dança Contemporânea e Dançarte, assim como vários pas-de-deux para galas internacionais. Foi co-autor do espetáculo para crianças Cinderela em bicos de pés e Dó, Ré, Mi, Perlimpimpim.

Leciona Técnica de Dança Clássica desde 2008 e é, atualmente, Professor na Escola Artística de Dança do Conservatório Nacional, assim como Professor Convidado em diversas escolas nacionais e internacionais. Convidado a participar em conferências sobre Arte e Dança, Fernando Duarte é, também, doutorando em Estudos Artísticos na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Em 2018 funda e assume a Direção Artística da Dança em Diálogos e ganha o Prémio da Dança Anna Mascolo da Mirpuri Foundation, com o bailado Murmúrios de Pedro e Inês.

Parceria: Dança em Diálogos

Encontros Corpoemcadeia

O projeto Corpoemcadeia surge com o propósito de gerar um espaço de experimentação e criação em dança, junto de um grupo de 16 reclusos do Estabelecimento Prisional do Linhó, com enfoque no diálogo entre as práticas e metodologias artísticas da Companhia Olga Roriz e o modelo de intervenção em Terapia Gestalt, numa lógica de Justiça e Inclusão Social.

3 de maio | 14h às 16h
Apresentação do projeto Corpoemcadeia; Planeamento e gestão de projetos na área social e cultural: aspetos gerais
Facilitadora: Andreia Tavares - psicóloga clínica (também com formação em Terapia Gestalt)
Destinatários: alunos da unidade curricular de Intervenção Artístico-Comunitária do Mestrado em Ensino de Dança
Local: Sala C.1.10

10 de maio | 16.15h às 18.15h
Práticas de corpo e dança com enfoque gestáltico (exemplos retirados das sessões do Corpoemcadeia)
Facilitadora: Catarina Câmara - bailarina, professora e coordenadora do projeto (com formação em Terapia Gestalt)
Destinatários: alunos da unidade curricular de Intervenção Artístico-Comunitária do Mestrado em Ensino de Dança
Local: Estúdio A2

10 de maio | 18.30h às 20.30h
Um breve encontro com a Terapia Gestalt
Convidadas: Neuza Almeida (também coordenadora social do projeto Corpoemcadeia) e Irina António - psicólogas clínicas/psicoterapeutas e formadoras de Terapia Gestalt
Destinatários: Comunidade da Escola Superior de Dança
Local: Sala C.1.10

Projeto apoiado pela Fundação Calouste Gulbenkian através da iniciativa PARTIS – Práticas Artísticas para a Inclusão Social e promovido pela Companhia Olga Roriz em parceria com a Direcção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, a Associação Portuguesa da Gestalt, a Escola Superior de Dança, entre outros.

Fotografia © Olga Roriz

Masterclass com Rafael Alvarez

7 maio 2019 | 14h00
Estúdio A1

No dia 7 de maio, Rafael Alvarez virá à Escola Superior de Dança leccionar a primeira masterclass do Bloco 5 (ano letivo 2018/19). Esta masterclass realiza-se no âmbito da unidade curricular de Composição II e é dirigida aos alunos das Turmas 42 e 43, do 2º ano do curso de Licenciatura em Dança.

Rafael Alvarez é coreógrafo e intérprete, cenógrafo e figurinista, investigador e professor. O seu trabalho coreográfico tem sido apresentado desde 1997 na Europa, América do Sul e América do Norte, Médio Oriente, Ásia e África. Nos últimos 20 anos tem investigado e desenvolvido uma dimensão plástica do movimento e da composição, revelando uma forte componente visual na construção do corpo-espaço e da linguagem coreográfica. Os seus espectáculos destacam-se pelo uso enigmático, simbólico, poético e minimalista do corpo, da dança e do espaço.

Tem investido de forma aprofundada, na relação da Dança com a Comunidade e na dimensão colaborativa da prática artística de diálogo e intervenção com o mundo. Lecciona desde 1998, Dança Contemporânea – Improvisação/Composição e Dança Inclusiva, desenvolvendo projectos de formação envolvendo estudantes e profissionais de dança, pessoas com deficiência, seniores, pessoas com Parkinson, crianças e artistas em geral.

Coordenador e professor no projecto Dança Contemporânea para Maiores de 55 Anos & Seniores que dirige desde 2001 em Lisboa integrando aulas semanais, laboratórios e apresentações. Coordenador artístico da Plural_Companhia de Dança e professor de dança inclusiva na Fundação LIGA (desde 1998). Integra a equipa de professores do Projecto Dançar com Pk - Aulas de Dança para Pessoas com Parkinson (membro do Dance for PD/ Mark Morris dance Group 6 Brooklyn Parkinson’s Group, EUA). Professor de Improvisação/ Composição na FOR Dance Theatre / Companhia Olga Roriz (2017-19).

Foi intérprete em espectáculos e projectos dirigidos pelos coreógrafos – Francisco Camacho/ EIRA (PT), Christian Rizzo (FR), Lynda Gaudreau/Lucky Bastards (CN/FR) e do encenador Luís Castro/Karnart, entre outros.

Doutor em Comunicação, Cultura e Arte - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, UALG. Pós-graduado em Ciências da Comunicação – Cultura Contemporânea – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade. Nova de Lisboa. Formado em Realização Plástica do Espectáculo e em Teatro e Educação - Escola Superior de Teatro e Cinema, IPL. Foi Bolseiro do Centro Nacional de Cultura na área da Dança/Criação (2000-2002). Investigador Integrado CHAIA – Centro de História de Arte e Investigação Artística.

Foi artista apoiado pelo O Rumo do Fumo (2000-04) e artista associado da EIRA – Dança Contemporânea e Performance (2005-2016). Co-fundador da ANKA Companhia de Dança Inclusiva de São Tomé e Príncipe. Co-fundador e director artístico da BODYBUILDERS – Dança Contemporânea.

Parceria: Fundação Liga

MetaDança 2019

27 de abril a 5 de maio 2019 | Leiria

O MetaDança é um Festival de Artes Performativas que dinamiza a cidade de Leiria assinalando, deste modo, as comemorações do mês da dança: abril. Um dos seus objetivos é a inserção de coreógrafos no mercado profissional artístico.

Nesta 8ª edição, os alunos da ESD marcam novamente a sua presença, como uma programação repleta de eventos.

 

"Profunda Pele"
de 27 de abril a 5 de maio
Museu de Leiria

Exposição/Instalação de Fotografia de Dança Contemporânea com curadoria de Rute Violante, João Fernandes e Ângelo Cid Neto. Esta exposição é o resultado do curso de fotografia de dança contemporânea, promovido pela Fotograf’arte, com a formadora leiriense Rute Violante.

 

Residência Artística | Escola Superior de Dança
de 27 de abril a 5 de maio
Moinho do Papel

Performances em Espaço Público
4 e 5 de maio | 11h30, 14h30 e 16h00
Moinho de Papel

Doze finalistas da Licenciatura em Dança da Escola Superior de Dança estarão em residência artística no Moinho do Papel. Desta residência resultará um espetáculo com seis apresentações públicas em formato site specific.

 

"2 Peças, 6 Coreógrafos"
3 de maio | 21h30
Teatro José Lúcio da Silva

No dia 3 de maio estreiam duas peças: Cor de burro quando foge com direção artística de Margarida Garcez e antestreia no Teatro Aveirense em abril e FAKE DANCE, com coreografia de João Fernandes e Ângelo Cid Neto.

 

Mostra de Vídeo Dança
4 e 5 de maio
Moinho de Papel

Loop de sete vídeos-dança, criados por finalistas da ESD, e orientados pelo coreógrafo leiriense Bruno Duarte e pelo videasta Tomás Pereira.
Os vídeos apresentados resultam do trabalho desenvolvido no âmbito da unidade curricular de Projeto VI - módulo de Vídeo Dança, do 3º ano do curso de Licenciatura em Dança. Neste módulo, pretende-se que os estudantes adquiram as ferramentas teóricas e práticas que possibilitem o planeamento, gravação, edição e montagem de um vídeo a partir das contingências inerentes à criação coreográfica contemporânea.

 

Mais informações:
MetaDança 2019
Programa MetaDança 2019 
Teatro José Lúcio da Silva

Imagem do cartaz | Design Gráfico: Inteiro Design

Cor de Burro Quando Foge | Projeto D

Cor de Burro Quando Foge é o mais recente trabalho realizado no âmbito do Projeto D - Projeto de Apoio ao Recém-Licenciado. Bruno Freitas, Joana Pinto, Margarida Garcez e Susana Vilar, alunos recém-licenciados da ESD, irão apresentar este trabalho coreográfico em Aveiro, Leira e Lisboa.

O Projeto D - Projeto de Apoio ao Recém-Licenciado teve início no ano letivo 2004/2005.
Mais recentemente, a ESD apostou num conjunto de parcerias/protocolos, ampliando a projeção do projeto:

- ESD e Opart/Estúdios Victor Córdon (no âmbito do projeto Novíssimos) - cedência de espaços para residências artísticas;
- Teatro Aveirense / Nome Próprio - frequência gratuita do Estágio da Dança de Aveiro e apresentação da peça no Teatro Aveirense;
- Metadança - Festival de Artes Performativas - apresentação da peça no Festival Metadança e apoio no registo fotográfico, em parceria com a Fotograf’arte.

 

Cor de Burro Quando Foge
Se existimos, agora, estamos aqui. O depois não importa porque é depois.
O que é aqui e o que é ali? O destino não existe sem a partida e a partida não acontece sem um destino.
A partida é o destino.
Mas se são o mesmo lugar, o que existe no meio?
A fuga. O tudo e nada. O nós e os outros.
Vivemos num loop... Sempre na fuga. Fazemos burros de nós próprios ignorando que fugimos para o sítio de onde viemos.
Arrastamos tempo e criamos vento à nossa passagem. Tudo o que acontece quando vamos daqui para ali é beleza colateral…

Ficha Artística
Cocriação: Bruno Freitas, Joana Pinto, Margarida Garcez e Susana Vilar
Direção artística: Margarida Garcez
Interpretação: Bruno Freitas, Joana Pinto e Susana Vilar.
Música: cor de burro quando foge (original)
Compositor: Artur Guimarães
Figurinos: Bruno Freitas, Joana Pinto, Margarida Garcez e Susana Vilar

Datas de apresentação:
Teatro Aveirense, Aveiro (Estágio de Dança de Aveiro 2019) - 12 de Abril de 2019
Teatro José Lúcio da Silva, Leiria (Festival Metadança) - 3 de Maio de 2019
Auditório da Biblioteca de Marvila, Lisboa (Ciclo #5) - 29 e 30 de Maio de 2019

Residências Artísticas – práticas colaborativas | Vídeo Dança

Residência Artística  | 3 de março a 8 de abril
Apresentação Pública | 8 de abril - 16.30h - sala C.1.16

Vídeo Dança
No âmbito do Projeto Residências Artísticas - Práticas Colaborativas realizou-se entre 3 de março e 8 de abril uma residência dedicada ao Vídeo Dança. Com orientação de Tomás Pereira e Bruno Duarte, os alunos do 3º ano da Licenciatura em Dança participaram nesta residência tendo como principal objetivo a aquisição de ferramentas teóricas e práticas que possibilitem o planeamento, gravação, edição e montagem de um vídeo-dança, com vista à apresentação pública. Em resultado do trabalho desenvolvido serão apresentados 7 vídeos-dança - Só entre tantos, Baixa Pombalina, Circulus Invocatio, Pastel LX, Prazo, Outruined e Um olho no peixe e outro no gato.

Residências Artísticas – Práticas Colaborativas
Este é um projeto de formação/investigação que visa o aprofundamento e sistematização de aspetos relativos às práticas artísticas contemporâneas, com destaque para a sua dimensão colaborativa.
Ao longo de quatro residências artísticas, diferentes grupos de estudantes do Curso de Licenciatura em Dança da Escola Superior de Dança do Instituto Politécnico de Lisboa, irão trabalhar com oito artistas nacionais e internacionais de vários domínios artísticos.
Para além da apresentação pública do trabalho desenvolvido em cada uma das residências artísticas, serão reunidos diferentes materiais, tais como entrevistas, registos vídeo e fotográficos dos processos de criação, com o objetivo de refletir sobre a seguinte questão - a colaboração na criação em artes resulta sempre na autoria partilhada?

Madalena Xavier
(Coordenação de Projeto)